torrentway.com Signatures

Ignoto Ego

13.9.04

Pragmatismo de bola

Visionada a primeira metade do desafio e ouvidos um par de minutos do último quarto da segunda, a conclusão a tirar do Vitória de Setúbal 2 - Sporting 0 é objectiva, clara e cristalina. A prévia declaração de intenções de Jê Couceiro foi uma constante material e efectiva da partida; à distância destas linhas posto o que passou pelas quatro essenciais do Bonfim, os termos do treinador sadino a que aludi em "Tautologia" parecem-me tão mais acertados..Afinal, à inversa imagem da lei percebida pelo sátrapa Pimenta Machado no futebol português, ontem era mentira, hoje é verdade (embora de bestas a bestiais - para, já agora, esmiuçar mais uma expressão do pédebola nacional - a diferença seja quase nula).

Enfim, duas bolas a zero para os da casa. Houve golos e houve justiça, não há bodes expiatórios, apenas leituras críticas das opções tácticas e afins de Jê Peseiro e aplausos para Jê Couceiro. A esperança no jogo reside mesmo é neste tipo de contundências - tipos golos, justiça e personas sub-40 sagazes ao leme, bem entendido.

Quanto ao Sporting, depois da alegria de grande parte do primeiro duelo em Alvalade ante o Gil, parece haver ocorrido uma mutação gigantesca, abissal. Nada mais recorrente, simples até: chama-se inconstância. É sempre bom lembrar o quanta sopa de grão e broa têm que comer os indivíduos-jogadores-e-seus gurus até se constituirem como equipa digna do nome colectivo. Para Miguel Garcia e Hugo, a observação-participante no campo terá que se transferir para a bancada, não?


São lições a verde e branco, senhor, ministradas pelas proletárias listas verticais às burguesas horizontais - «achega verborróide your bourgeious ass!», diz-me muito acertadamente o (pós-tautológico) pragmático Couceiro. Para mais tarde recordar, tarã!


Custom Search
Share
CURRENT MOON
moon info
Would you consider supporting this freelancing MC? Now you can paypal this ignoto yet unveiling ego every now and then;) [
]